Uma reflexão sobre Brumadinho

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019 Nenhum comentário

Nos últimos dias, presenciamos um fato que abalou o Brasil. É desnecessário apresentar aqui o que ocorreu, visto que até hoje os jornais e redes sociais estão noticiando o acontecido. Mas o que me marcou muito é o fato de que, num segundo, respiramos, noutro, não mais. Como assim?
A brevidade da vida me assusta. Não digo que me incomoda, pois não fico refletindo disso sempre. Mas assusta, ah se assusta! Mas o que me incomoda, o que me desespera de verdade, é ver pessoas deixando pra depois o que pode ser feito agora. Pessoas preocupadas em ser ricas, em ser bonitas, em conquistar muitas coisas, ou até tristes por aí, por uma pessoa que não lhe deu o devido valor. E deixando o que é mais importante pra depois. 
O depois nunca chega. O depois sequer existe. 
Hoje, nos noticiários, mais uma notícia: mais uma barragem prestes a se romper. Por precaução, estavam evacuando o local e levando as pessoas para quadras. E nos comentários da notícia, alguém disse que preferiria mil vezes estar em uma quadra lotada, sem condições, do que presenciando o que poderia ocorrer. É que é mais fácil dar um jeito na vida em uma quadra lotada, sem todos os seus pertences, sem dinheiro, sem quase nada, do que soterrado em lama. Quando tudo está perdido, ainda resta uma esperança.
Mas o foco desta reflexão é dizer que precisamos aproveitar o tempo que nos resta. A vida é breve. Isto não te assusta? Diga que ama, abrace, perdoe. Viva! Mas faça logo, faça rápido. A vida é breve. A vida é breve!!!! A vida é breve...

Ninguém sabe
Quando será
O último abraço
Então,
Por precaução
(Ou sensatez)
Abrace sempre
Como se fosse
A última vez.
(Jean Carlo Barusso)

Reprogramando o blog Outro Detalhe

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019 8 comentários

Às vezes precisamos nos reprogramar pra nos encaixar novamente. 
Desde minha última postagem no blog, muita coisa mudou. Mudei algumas rotas, tracei algumas metas, troquei alguns caminhos... e cá estou mais uma vez. De certa forma, a vida sempre me traz de volta pra este cantinho, pra falar, pra me expressar, pra me refazer. Pra me colocar no meu lugar, e pronto. 
Para não me delongar demais, vou explicar algumas novas funções do blog, e espero conseguir colocar este novo projeto em prática! Então vamos ao que interessa ♥ 
Há dois anos atrás eu escrevia bastante, tinha muitas publicações que falavam a respeito da vida, muitas reflexões, e isso me fazia me sentir muito bem. Porém, algumas coisas já não fazem tanto sentido pra mim, portanto irei ocultar algumas publicações, deixando apenas algumas (poucas!) que ainda retratam o que penso. 
Um dos rumos que estou tomando é que serei mamãe em maio. Na última sexta-feira descobri que será uma menina, a Ana Teresa ♥ Sinto que ela já é muito expressiva, como a mãe rs Quero falar aqui um pouquinho sobre como foi quando descobri, quais as coisas boas e as dificuldades, pra ajudar outras mães meninas por aí haha 
Outra coisa que tenho me dedicado e entendido bastante, é sobre o empreendedorismo e educação financeira. No blog, quero falar um pouco do que tenho aprendido sobre isso, e se possível, ajudar outras pessoas a colocar em prática algumas metas e objetivos. 
Prometi não enrolar muito, então, vou ficando por aqui... Até mais! ♥

Uma carta pra alguém que não pode me ouvir

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017 6 comentários
HQ LightRoom Presents


Ei, Como vai? Faz tanto tempo!
Aqui as coisas estão tranquilas, até demais. Eu entrei pra faculdade, arrumei um emprego, tenho um namorado agora. Coordenei um grupo de jovens, amadureci minhas ideias. Já não sorrio como antes. Mas sou feliz.
Estou em um processo de conhecimento de uma nova pessoa que me tornei, em um processo de conhecer o que quero pra mim. Lembro exatamente das suas falas na beirada da cama dizendo que era pra eu conhecer bastante gente ainda, e não me preocupar demais com as coisas. "Namora bastante, Valéria". Eu estou tentando, prometo. Tentando interagir, tentando ser melhor, tentando não ligar.
Depois que te cuidei no hospital, quis ser médica. Que engraçado, né! Tenho medo, ainda. Mas sonho com isso. Imagina, eu, cuidando das pessoas, um pouquinho além do que te cuidei? Tenho uns 15 dias ainda pra decidir se largo tudo pra isso, ou se continuo com tudo o que eu estou fazendo.
Sinto sua falta. De você sorrindo pra mim e dizendo que ia dar tudo certo. Que era importante confiar. E me ensinando que "Amém" significa "Que assim seja" e me ensinando sobre a Eucaristia. Sinto falta do seu cuidado, de vir me visitar, de me regar com os olhos, de me mostrar esperança. Sinto falta da sua alegria. E da sua perseverança.
Se estivesse aqui, ia te contar de muitas conquistas. Agora dirijo moto e carro, sabia? Podia te levar pra passear. Aprendi a comer algumas coisas tipo chuchu haha e cenoura. Engordei, acredita? Lembro que ficava me chamando de magrinha... Tenho uma nova cachorrinha, e uma nova gatinha também. Você ia gostar delas! Só queria mesmo dizer é que sinto sua falta, e dos seus conselhos. E da sua alegria.
Desejo que esteja em um bom lugar, pela graça de Deus. Amém. Que assim seja.

Levante a âncora; é hora de partir

terça-feira, 2 de agosto de 2016 14 comentários
 
Créditos: Fivo Avgerinos
Todo início-de-alguma-coisa sempre vem com uma esperança de um tamanho que muitas vezes não cabe em nós: é um restart até na nossa fé. Mas o tempo vai passando, e tudo parece muito bom, muito lindo, a gente desce a âncora, acomoda ali mesmo, porque a sensação de não ter que enfrentar as novas ondas do dia a dia é até que boa. A gente desce do barco, estende as nossas coisas, conhece a vizinhança, começa a criar laços, monta um varalzinho pra pendurar nossas roupas, as coisas começam a fixar no chão...
Mas uma hora chega a nossa vez de levantar nossa âncora, subir pro barco o que for necessário, e partir. Aquelas frases clichês de todo início de mês (Agosto, a gosto de Deus, e etc) já passaram da hora de serem escritas de maneira diferente: larga de ser trouxa e vai colocar em prática aquilo que até agora você não conseguiu tirar das ideias.
Tinha um tal de Caio Augusto Leite que escrevia umas frases bem legais, e que a maioria conheceu. Uma das coisas que ele dizia que mais me tocou é (sim, clichê demais, já vi e ouvi em todos os lugares possíveis!): "Apesar dos ventos não serem favoráveis, eu coloco meu barquinho no mar. Eu coloco e vou seguindo, vencendo ondas, vencendo rochedos, vencendo abismos. Vou com meu barquinho pelas tempestades e sei que encontrarei um porto sereno com seu sorriso na praia a me esperar."
Talvez essa seja a hora de colocar nosso barquinho pra correr pelas tempestades: só assim ele chegará no "porto sereno", do outro lado, daquele lado que quase ninguém chega porque desiste no comodismo. É hora de partir! Essa semana minhas aulas recomeçam. Depois de mais de um ano, é hora de levantar a âncora e partir, só assim veremos "o sorriso na praia a nos esperar".

Porque não esperar muito de alguém

segunda-feira, 16 de maio de 2016 42 comentários

  Créditos: Danielle MacInnes
Porque ele vai te decepcionar. E você vai perdoar, às vezes. E você vai decepcioná-lo também, mas não se julgue por isso. Você costuma ligar sempre pra saber como as pessoas estão, você sempre se importa demais com elas, e se eu pudesse dar um conselho, seria esse: continue. As pessoas não costumam demonstrar o quanto gostam da gente da mesma maneira como a gente demonstra; mas isso não implica que a pessoa não goste de nós, não tenha apreço, cuidado.
Ligue sim, ligue várias vezes, pergunte, ame as pessoas, cuide, se vire pra fazer elas felizes, chame elas pra sair, mas não seja quem você não é, só porque esperou demais das pessoas. Quer outro conselho? Elas não são obrigadas a serem o que você espera delas. Elas só estão sendo quem são de verdade, e você precisa aprender a amá-las dessa maneira.
E o amor também é isso. Um dos maiores exemplos de amor que já vi por aí, são das pessoas que são o oposto da outra. Porque vai exigir de você além do que já sabe fazer. Você já sabe lidar com as pessoas que amam-igual-à-você, já sabe lidar com as pessoas que correspondem à altura do que você oferece. Mas precisa aprender a lidar com aqueles que demonstram o amor de outro jeito, o cuidado, a atenção. Isso vai exigir muito esforço da sua parte em amar mesmo sabendo que, quando você aparecer com um buquê de flores, talvez não receba outro buquê de flores, tão pouco outra flor! Em outros casos talvez não receba nem um grandioso obrigada, mas vou te contar um segredo: você será eternizado na memória de quem te ama. Você receberá uma gratidão do tamanho do mundo, mas que não vai ser falada, às vezes nem demonstrada. E isso vale mais do que qualquer atitude que você espera das pessoas.
Não espere que alguém te dê o que você espera ou gostaria de receber, e não, não falo de coisas materiais. Ame mesmo assim. Seja você. E se faltar amor, ame mesmo assim. E quer mais um conselho ainda? Livre-se disso, ou você viverá esperando das pessoas, se afastando delas (perdendo grandes pessoas!) e não é porque elas não demonstram o que você espera, mas porque você não consegue amar sem receber na mesma moeda. Ame mesmo assim! Só não deixe de lado as pessoas que também conseguem demonstrar à sua altura, viu?
Posso te dar o último conselho (talvez o mais importante deles!): as pessoas que não conseguem demonstrar (pelo menos do jeito que você gostaria), são as que mais precisam de amor. Ame mesmo assim!

O tempo é curto, só não deixe de amar!

Porque vale a pena ser bom

segunda-feira, 28 de março de 2016 44 comentários

Nessas andanças por aí um dia a gente resolve parar, e nessas paradas a gente resolve pensar. E é aí que a gente começa a questionar o que é que estamos fazendo da nossa vida. Quem nunca? E passa um bilhão de coisas na nossa cabeça.
Meus ideais e pensamentos são bem diferentes do que ouço da maioria das pessoas, e isso não me incomoda. Sabe por que? Acho que cada um é grande e inteligente o suficiente pra saber, no momento, o que é certo e errado, o que é bom e ruim, o que vale e o que não vale a pena fazer. 
Leio com frequência que ser bom é fazer algo de que gostamos muito e sentir-se bem com isso. Me dei a oportunidade de ver as coisas com outros olhos, porque até então eu concordava com essa frase. Mas então percebi que na teoria, essa frase é linda. Na prática, nem tanto. Nem tudo que fazemos e gostamos nos torna bons. Armar um barraco na porta da casa de alguém pode ser algo que nos dá prazer e que momentaneamente nos deixa felizes e realizados, mas isso jamais te tornará uma pessoa boa. Claro que esse é um exemplo bem exagerado para a interpretação da frase em questão.
E daí? Pra quê ser uma pessoa boa? É que é bom deitar a cabeça no travesseiro com a sensação de que a gente não deixou ninguém pra trás de nós. De que num futuro, próximo ou distante, o que fizemos refletirá em uma coisa boa pra nós mesmos. E a sensação de que não devemos nada pra ninguém e que podemos caminhar na rua sem ter inimizades com as pessoas é um calmante pra alma e pro coração.
A verdade é que as escolhas são nossas. E o resultado delas também.
 
Desenvolvido por Michelly Melo.